terça-feira, 25 de julho de 2017

Bruno Lima - Alfena

"Talento é paciência sem fim."
(Gustave Flaubert)

A palavra papel vem do latim papyrus , uma planta que cresce nas margens do rio Nilo no Egipto, da qual se extraia fibras para a fabricação de cordas, barcos e as folhas feitas de papiro para a escrita.
 O papel foi descoberto por volta de 3000 anos a C, no Egipto. 

A cartolina  vem do Latim charta, do Grego khartes,  e significa “folha de papel.”
É produzida a partir da composição de celulose branqueada de fibras curtas e aparas brancas e coloridas cujas principais características são maleável, leve, superfície lisa, estabilidade dimensional e resistência das cores à luz. 

Resta apresentar-me este bonito presépio feito em cartolina e dentro de um frasquinho de vidro. 


Bruno Lima - Alfena

"Toda a obra de arte é uma personalidade. O artista vive nela, depois dela ter vivido longo tempo dentro dele."
(Vargas Vila)

A crença mais difundida é que muitos povos antigos relacionavam o ovo a um símbolo do início da vida.
Nas regiões mais frias, o ovo também era o símbolo do início da primavera, onde surgia vida nova. Para obterem os benefícios dos "Deuses das Colheitas", os agricultores enterravam ovos nas suas terras.
Esta celebração pagã de festejar a Primavera diluiu-se mais tarde nas celebrações da Páscoa e da Semana Santa, que assinalam a morte e ressurreição de Jesus.
 Nessa altura, o ovo passou a transportar consigo o simbolismo do renascimento de Cristo.

Começaram a pintar-se ovos de galinha, de cores garridas, para festejar. A arte de colorir e decorar ovos na Páscoa desenvolveu-se muito na Europa de Leste.

 Os ortodoxos em particular especializaram-se em fazer verdadeiras obras de arte.

Da Rússia à Grécia, existe a tradição de pintar os ovos de vermelho, representação do sangue de Cristo.

Presenteio-vos com este ovo de gansa esculpido com o presépio e a visita dos reis magos. Está um trabalho sublime e encantador.

Frente do ovo:


Verso do ovo: 





sábado, 22 de julho de 2017

Delfim Manuel - Rebordões - Santo Tirso

O barro toma a forma que você quiser, você nem sabe estar fazendo apenas o que o barro quer.”
(Paulo Leminski)


Este ceramista vive em Santo Tirso e é conhecido pelas belíssimas peças que executa.
A forma como combina perícia e delicadeza de trabalhar o barro, não deixa ninguém indiferente!

Foi fundador e é mentor da Confraria do Caco, condição que aumentou a sua esfera de influência.
Recebe imensos prémios, a nível nacional e internacional, factos que a imprensa regista de forma expressiva.

Resta-me apresentar a foto do presépio.





segunda-feira, 17 de julho de 2017

António Pinto - Porto

“Dos nossos medos nascem as nossas coragens.”
(Eduardo Galeano)

A pipa é um vasilhame grande de madeira usado para armazenar líquidos.
Na Região Demarcada do Douro, a mais antiga região demarcada do mundo, a sua capacidade é de 550 litros e é usado para armazenar e envelhecer o vinho do Porto.
Em 2015 foram produzidas cerca de 290.041 pipas de vinho do Porto!
Falta apenas apresentar-vos o presépio  feito sobre uma pipa de madeira.



  


sábado, 8 de julho de 2017

Mãos de Papel - Rio Maior

"Nós não paramos de brincar porque envelhecemos,
mas envelhecemos porque paramos de brincar."
(Oliver Wendell Holmes)


Rio Maior é conhecida pelas salinas. O mar fica a 30 km de distância destas!
A Serra dos Candeeiros, dada a sua natureza calcária, tem muitas falhas na rocha e assim as águas da chuva entranham-se e formam cursos de água subterrâneos.
Sendo que um desses cursos atravessa uma grande jazida de sal-gema que alimenta o poço destas Salinas de Rio Maior.
E a água que se extrai das Salinas de Rio Maior é sete vezes mais salgada do que a água do mar!

É nesta cidade ribatejana que vive esta simpática artesã que faz belíssimos trabalhos!

Este presépio evoca a Primavera com o verde e as flores que tem. A pomba representa a paz e a anunciação do nascimento de Jesus.



quinta-feira, 6 de julho de 2017

Asdrovia - Rio Tinto

Um coração feliz é o resultado inevitável de um coração ardente de amor.”
( Madre Teresa de Calcutá)


Consta que a primeira motocicleta foi inventada pelos engenheiros norte americanos, Wilhelm Maybach e Gottlieb Daimler, em 1885!
Desde então tem vindo a evoluir e a surgirem inúmeros modelos de motas, cada vez mais potentes e sofisticadas!

Este presépio está muito original! José veste um hábito de monge franciscano e está a conduzir uma mota 125, Modelo ET3 Primavera,  datada de 1976! Maria vai atrás e leva o Menino Jesus consigo. Vão dar um passeio e chegarão muito mais rápido ao destino que pretendem ir!

Falta apenas publicar as fotos para vocês verem:










quinta-feira, 29 de junho de 2017

Museu de Santa Maria de Lamas

" Só a arte permite a realização de tudo o que na realidade a vida recusa ao homem."
 (Johann Goethe)


A cortiça é um material de origem vegetal da casca (súber) dos sobreiros (Quercus suber), leve e com grande poder isolante.

A primeira extracção da cortiça ocorre, normalmente, quando a árvore atinge entre 25 a 30 anos e ocorre nos meses de Junho a Agosto.

O uso da cortiça reporta há 5000 anos atrás, onde já era utilizada na arte das pescas, sucessivamente para produzir calçado e para vedar ânforas de vinho e azeite!

Durante a época dos descobrimentos, os construtores de naus e caravelas portuguesas utilizavam a madeira de sobreiro no fabrico das partes mais expostas às intempéries, visto que é um material resistente e que nunca apodrece.

O produto, mais conhecido, feito com cortiça, são as rolhas usadas para tapar as garrafas de vinho. No século XVIII, o monge beneditino francês Dom Pierre Pérignon, usou a cortiça para vedar o famoso champagne de Pérignon.  

Portugal, com uma área de 730 mil hectares de montado de sobreiros, é responsável por mais de 50% da produção mundial de cortiça.

O actual Museu de Santa Maria de Lamas (MSML), foi primitivamente designado pelo seu fundador (o industrial “corticeiro”, Henrique A. Amorim (1902 - 1977)), como sendo a sua “Casa dourada”. É um espaço peculiar devido às variadas colecções deste homem - arte sacra, cortiça, iconografia, mobiliário, etnografia, estatuária, ciências naturais, cerâmica, numismática e medalhística. As cerca de 1700 peças criam nas 16 salas do museu, verdadeiros desafios ao olhar do visitante!

Resta-me apresentar-vos os dois presépios que comprei neste museu: