quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

Ciliton artesanato urbano - Lisboa

"A arte é, em parte, comunicação, mas apenas em parte. O resto é descoberta." 
(William Golding)

Este presépio foi elaborado em arame, tubos de alumínio, as cabeças e mãos em pasta de modelar. Depois foi pintado com tinta acrílica e de areia.
Está muito engraçado e as cores são muito bonitas.


Mini Cilocas - Porto

"Toda a arte é um reflexo da vida..." 
( Manoel de Oliveira)

Este presépio foi executado com pequenas pedras encontradas nas praias da nossa costa.

Aqui fica a foto!


terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Burel - Cantinho Santiago - Belmonte

 “A perfeição é feita de pequenos detalhes - não é apenas um detalhe.” 
(Michelangelo)

O burel é um tecido feito da lã de ovelha.
Este famoso tecido nasceu na Serra da Estrela!  É de lá que vem a inspiração e a lã que lhe dá o corpo e o nome!
A lã, após ter sido tosquiada, lavada, fiada, urdida no órgão e tecida no tear, é pisada numa máquina designada por pisão, que bate e escalda a lã transformando o tecido (xerga) em burel, tornando-o mais apertado, resistente e impermeável.

Falta apenas partilhar a foto deste amoroso presépio feito neste material:



sábado, 9 de dezembro de 2017

Linho - M. Conceição Pereira - Barcelos

"Brincar é sorrir sem medo, deixar a imaginação solta curtir a vida como criança."
(Winnicott )

Segundo historiadores, a fibra do linho foi descoberta à cerca  de 8000 a.C.! 

O linho vem mencionado no Antigo Testamento e a túnica de Cristo era em linho e sem costuras. 

Também encontramos a história do linho usada como tecido nobre e símbolo de poder e riqueza no Antigo Egipto, os faraós eram embalsamados com esse tecido! 

O linho também é considerado uma planta ecologicamente limpa, pois o seu cultivo não é prejudicial ao solo. Ele possui uma grande durabilidade e tem alto potencial de absorção do calor.    

O linho é arrancado pela raiz, a fim de se aproveitar todo o comprimento dos caules. O seu nome científico é linum usitatissimum

Falta apenas partilhar a foto do presépio!



terça-feira, 28 de novembro de 2017

Presépio sobre estrela de 5 pontas - V.N. Gaia

 "A finalidade da arte é dar corpo à essência secreta das coisas..." 
(Aristóteles)

A estrela de cinco pontas, também chamada de pentagrama, foi usada milhares de anos atrás por uma grande variedade de culturas! Ela é a forma mais simples de estrela, também chamada de “laço infinito”, símbolo da verdade e da protecção contra os demónios!

Nos tempos medievais era usada como amuleto pessoal e guardião de portas e de janelas!


Os cristãos associam as cinco pontas, às cinco chagas de Cristo e representa as fases da vida: nascimento, infância, maturidade, velhice e morte!


Flora Silva – Miraflores

“Talento é 1% inspiração e 99% transpiração.”
( Thomas Edison)

Consta que o bicho-da-seda surgiu no norte da China há cerca de 3000 anos a.C!

Este insecto alimenta-se exclusivamente de folhas de amoreira, na fase de vida de larvar.
Ao fim de um mês, a lagarta torna-se amarelada e começa a segregar um fio que usa para formar o casulo onde se dará a metamorfose para o estado adulto (imago). É esse casulo que serve de fonte para a seda.

  Estas mariposas vivem apenas criadas pelo homem de quem dependem para serem alimentadas e não conseguem voar!
 Existem mais de 400 espécies desta raça!

Este presépio foi elaborado com casulos do bicho-da-seda e lã feltrada. Está muito amoroso.



Cátia Paião - Lisboa

 "Os espelhos são usados para ver o rosto; a arte para ver a alma." 
 (George Bernard Shaw)

 Como estava muito calor, José e Maria foram dar um passeio com o Menino Jesus. Usaram sandálias e vestes frescas! Estenderam a toalha sobre uma pedra, onde almoçaram.
A autora deste presépio é Cátia Paião. Está muito amoroso, não acham?



sexta-feira, 24 de novembro de 2017

Presépio caminha

"Uma obra de arte é um ângulo visto através de um temperamento.” 
(Émile Zola)


As primeiras camas eram feitas em pilhas de palha, ou de folhas de palmeira ou de peles de animais!
 Uma mudança importante foi levantá-los do chão, para evitar correntes de ar, sujeira e pragas!

Entre 3200 a.C. e 2200 a.C. numa aldeia escocesa foram levantadas caixas feitas de pedra e cobertas com enchimentos confortáveis!

Os egípcios tinham altos estrados que foram ascendidos por etapas, com almofadas ou travesseiros, e cortinas para pendurar em redor!
 Os faraós e rainhas tinham camas feitas de madeira, às vezes dourada.
Os persas decoravam os seus móveis com incrustações de metais, madrepérola, e marfim.


Foi só na Idade Média é que as camas começaram a ser colocadas em aposentos mais privativos, como os quartos. 

Devido ao inverno rigoroso do velho continente, os europeus adoptaram uma protecção que os persas já haviam desenvolvido anteriormente: o dossel, uma espécie de cortina apoiada por colunas de madeiras que todos nós já vimos nos filmes de réis e rainhas!

E a evolução continuou até aos nossos dias!

José e Maria e o Menino Jesus estavam cansados e decidiram descansar um pouco nesta caminha feita em cortiça!


Marcador de página

"É a obra de arte que mais se aproxima da vida." 
( Henry David Thoreau)

Os marcadores de página datam do período medieval, quando eram usados metros e metros de papiro, que atingiam os 40 metros de comprimento ou até mais!

Alguns dos marcadores mais antigos foram encontrados em mosteiros medievais, parecidos com clips e eram feitos de papel vegetal, este tipo também foi usado no Antigo Egipto.

Estes marcadores de origem monástica, entre os períodos do século XIII ao século XV, eram feitos  com o resto do couro que sobrava daquele que era utilizado para fazer as capas dos livros!

Assim que os primeiros livros impressos foram postos à venda, os preços eram muito altos, eram raros e apenas poucos tinham acesso a eles!
 Não somente pelo valor, pois somente pessoas da elite eram alfabetizadas por tutores e professores particulares, o restante da população menos favorecida não conhecia a arte da leitura. Porém desde aquela época estabeleceu-se a importância do marcador de página.

 Então, no final do século XVI, a Rainha Elizabeth I foi uma das primeiras a possuir um marcador de página para os livros impressos, que não danificava os livros, um presente, um marcador realmente prático.

Do século XVI até o século XVIII um tipo comum de marcador era feito de uma fita estreita de seda, com um pouco mais de um centímetro. Ele ligava o topo da página até o final. Hoje em dia ainda encontramos este tipo de marcador em livros mais antigos, de colecções clássicas, ou então em algumas agendas ou livros de capa dura.

O primeiro marcador destacável (que não era preso ao livro) e, portanto, marcadores coleccionáveis, começaram a aparecer na década de 1850.

Uma das primeiras referências a estes marcadores é encontrada em Recollections of a Literart Life (1852), da autora Mary Russell Mitford: "I had no marker and the richly bound volume closed as if instinctively.

Hoje temos uma grande produção de marcadores de livros, feitos nos mais diferentes tamanhos, formatos e materiais como: ouro, bronze, cobre, estanho, madrepérola, couro, tecidos, papel, plástico e marfim. Cada marcador tem uma particularidade em si e sempre acompanha o leitor!

Este marcador  contém um presépio que retrata a zona de Palma de Maiorca.



Bokwus – Montijo

“A arte deve antes de tudo e em primeiro lugar embelezar a vida..." 
(Friedrich Nietzsche)


A arte é renovável e sempre tem algo de novo a mostrar, seja por meios de técnicas, soluções ou performances!

A massa modelar   foi buscar este termo francês (Biscuit) que significa biscoito. É também conhecida como porcelana fria, pela sua aparência!

É usado para decorar topo de bolos de casamento, lembranças de aniversário, ímanes de frigorífico, entre outras coisas!

Esta massa foi descoberta no século III, na China, onde o potássio, sódio, cálcio e a argila pura de coloração branca eram encontrados. Foi graças à sua brancura e rigidez que foi possível produzir louça fina, artigos decorativos e até esculturas para serem contempladas em palácios de diversos países do mundo!

Porém, foi devido ao grande esforço para adquirir essa matéria-prima, bem como moldá-la, para se transformar numa obra de arte só acessível à classe alta! 

Mais tarde, no século XVIII, na Alemanha, na cidade de Meissen, um alquimista encontrou uma espécie de argila de cor branca, e ao fabricar pequenas peças com essa argila, percebeu a sua semelhança com a porcelana chinesa.

Os italianos descobriram uma mistura de farinha com água e sal, a chamada “pasta di sale” e com a qual produziam pequenos e delicados trabalhos!

E assim foi criado o biscuit como forma de baixar o custo, mantendo a beleza, a qualidade e a durabilidade, que eram características da porcelana!


 Apresento-vos estes dois presépios: 




quinta-feira, 23 de novembro de 2017

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Rodela de madeira - Porto

A cor é a música dos olhos.”
( Johan Wolfgang Von Goethe)

Este presépio foi elaborado numa pequena rodela de madeira por uma artesã do Porto.

Aqui fica a foto:




terça-feira, 7 de novembro de 2017

Arte Gira - Castelo Branco

"Uma obra de arte é o resultado excepcional de um temperamento excepcional." 
(Óscar Wilde)

O medalhão é das peças mais antigas de jóias em todo o mundo! Ele carrega não só a beleza, como também mantém uma história de gerações!

O medalhão chegou até nós da Roma antiga, onde ele era uma recompensa originalmente para os generais-vencedores! Era semelhante a uma grande moeda de ouro, com um disco ornamentado.
Entre os sacerdotes o medalhão foi divulgado como um amuleto especial para rituais. Poderia ter alguns desenhos de símbolos mágicos ou imagens de deuses! Medalhões modernos ficam em uma corrente ou um cordão e tem decoração com pedras preciosas ou desenhos. Alguns modelos podem ser abertos para colocar um pequeno retrato ou relíquia.

No antigo Egipto, todos amavam o medalhão! Cleópatra frequentemente dava de presente aos seus servos um pingente com uma esmeralda e o seu retrato.

O pico da popularidade desse pingente incomum foi no século XVIII-XIX – o tempo da era vitoriana. As pessoas começaram a usar o colar medalhão como um “baú” para uma memória das vítimas de guerra, parentes e entes queridos!

A Rainha Elizabeth I da Inglaterra usava seu anel medalhão diariamente; ele continha um retrato pintado de sua mãe, Ana Bolena e dela.

Este medalhão tem a imagem de um presépio.



sábado, 28 de outubro de 2017

crochet lovers by Laroca

Todas as artes são como espelhos nos quais o homem conhece e reconhece algo de si que ignorava.”
(Émile-Auguste Chartier)

A palavra  crochet foi originada de um termo existente no dialecto nórdico, com o significado de gancho (que é a forma do bico encurvado da agulha utilizada para puxar os pontos), que também originou croc, que em francês tem o mesmo significado.
Ninguém tem a certeza de quando ou onde o crochet começou!
Pouco se sabe sobre as origens do crochet. Há algumas teorias de que os primeiros trabalhos eram feitos com os dedos, em vez de usar agulhas!

 As três teorias principais dizem que a técnica ter-se-ia originado:
- Na Arábia e se espalhado para o Tibete e mais tarde para a Espanha;
- Na América do Sul, onde uma tribo primitiva teria usado adornos de crochet em rituais de passagem para a vida adulta;
-Ou na China, onde foram encontradas bonecas feitas de crochet.

As primeiras evidências do uso extensivo da técnica surgiram na Europa, durante o século XIX.
A primeira referência escrita apareceu no livro “The Memoirs of a Highland Lady” deElizabeth Grant (1812), e as primeiras receitas de pontos foram publicadas em uma revista holandesa em 1824.

Resta-me apresentar-vos os presépios:



Este presépio está o máximo de ternura. O Menino Jesus está a andar de baloiço e José e Maria estão a ajudá-lo: 







quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Luís Santos - V.N. Gaia

A arte é a contemplação; é o prazer do espírito que penetra a natureza e descobre que a natureza também tem alma.” 
(Auguste Rodin)

Estudiosos confirmam que a cerâmica é a mais antiga das indústrias! Ela nasceu no momento em que o homem começou a utilizar o barro endurecido pelo fogo! Desse processo de endurecimento, obtido casualmente, multiplicou-se. A cerâmica passou a substituir a pedra trabalhada e a madeira.

A Bíblia afirma no Livro de Génesis que Deus formou o homem do pó da terra.

Liderados pelo professor de engenharia biológica e ambiental Dan Luo, o estudo indica que alguns tipos de argilas facilitaram a formação de moléculas orgânicas que tornam possível a vida no planeta. Essa argila contém uma série de minerais, como alumínio, silício e oxigénio, e sua composição forma uma substância chamada “hidrogel".
Trata-se de um polímero que forma um conjunto de espaços microscópicos capazes de absorver líquidos, tais como uma esponja, em que são produzidas as reacções químicas para a síntese de proteínas, DNA e as células vivas.

As primeiras cerâmicas que se tem notícia são da Pré-História: vasos de barro, sem asa, que tinham cor de argila natural ou eram enegrecidas por óxidos de ferro.

A partir do século XVIII, introduziu-se a moda dos presépios, surgiu a multidão de bonecos de barro, imagens de Cristo, da Virgem, abades, de santos e de anjos.
E a cerâmica foi proliferando e o número de artesãos aumentando, até aos nossos dias!

Falta apenas partilhar a foto deste bonito presépio.


quarta-feira, 4 de outubro de 2017

Cruz e estrela com presépios

"Não existe meio mais seguro para fugir do mundo do que a arte, e não há forma mais segura de se unir a ele do que a arte." 
( Johann Goethe)

O nome Marfinite surgiu quando os imigrantes passaram a produzir bolas de bilhar de plástico, com peso e medidas oficiais e que substituíram as caras bolas importadas de marfim!

As imagens religiosas são na sua grande maioria feitas em marfinite, usando moldes de gesso e borracha, sendo todo o acabamento feito à mão, o que torna cada peça única.

Apresento-vos estes pequenos presépios feitos em pó de marfim!





Priscila Almeida - Porto

     "Apreender é a única coisa que a mente nunca se cansa, nunca tem medo e nunca se arrepende. "(Leonardo da Vinci)

Polimer clays são massas feitas à base de compostos plásticos (polímeros).
Este presépio é neste material. 




quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Artesanato da Clarinha - Castelo Branco

"Nenhum elemento tem, por si, peso ou leveza. O movimento origina-se do facto de que o que é mais fino, não pode resistir ao mais denso."
 (Leonardo da Vinci)

É possível que o nome da cidade - Castelo Branco - tenha a sua origem numa confusão entre duas cidades - Pyrgileucos e Cattaleucos – que segundo Ptolomeu, foi fundada por colonos cartagineses em 504 a.C.
Castelo Branco terá tido a sua origem no local de um castro pré-romano. No início do séc. XII existia uma povoação no cimo da Colina da Cardosa, em cuja encosta se desenrolou o povoamento da vila.
É sede do terceiro maior município português!
Foi considerada em 2006, num estudo elaborado pela DECO, a segunda capital de distrito do país com melhor qualidade de vida.

Foi nesta bonita cidade que este íman foi elaborado. É em barro e está bem engraçado!


terça-feira, 25 de julho de 2017

Bruno Lima - Alfena

"Talento é paciência sem fim."
(Gustave Flaubert)

A palavra papel vem do latim papyrus , uma planta que cresce nas margens do rio Nilo no Egipto, da qual se extraia fibras para a fabricação de cordas, barcos e as folhas feitas de papiro para a escrita.
 O papel foi descoberto por volta de 3000 anos a C, no Egipto. 

A cartolina  vem do Latim charta, do Grego khartes,  e significa “folha de papel.”
É produzida a partir da composição de celulose branqueada de fibras curtas e aparas brancas e coloridas cujas principais características são maleável, leve, superfície lisa, estabilidade dimensional e resistência das cores à luz. 

Resta apresentar-me este bonito presépio feito em cartolina e dentro de um frasquinho de vidro. 


Bruno Lima - Alfena

"Toda a obra de arte é uma personalidade. O artista vive nela, depois dela ter vivido longo tempo dentro dele."
(Vargas Vila)

A crença mais difundida é que muitos povos antigos relacionavam o ovo a um símbolo do início da vida.
Nas regiões mais frias, o ovo também era o símbolo do início da primavera, onde surgia vida nova. Para obterem os benefícios dos "Deuses das Colheitas", os agricultores enterravam ovos nas suas terras.
Esta celebração pagã de festejar a Primavera diluiu-se mais tarde nas celebrações da Páscoa e da Semana Santa, que assinalam a morte e ressurreição de Jesus.
 Nessa altura, o ovo passou a transportar consigo o simbolismo do renascimento de Cristo.

Começaram a pintar-se ovos de galinha, de cores garridas, para festejar. A arte de colorir e decorar ovos na Páscoa desenvolveu-se muito na Europa de Leste.

 Os ortodoxos em particular especializaram-se em fazer verdadeiras obras de arte.

Da Rússia à Grécia, existe a tradição de pintar os ovos de vermelho, representação do sangue de Cristo.

Presenteio-vos com este ovo de gansa esculpido com o presépio e a visita dos reis magos. Está um trabalho sublime e encantador.

Frente do ovo:


Verso do ovo: 





sábado, 22 de julho de 2017

Delfim Manuel - Rebordões - Santo Tirso

O barro toma a forma que você quiser, você nem sabe estar fazendo apenas o que o barro quer.”
(Paulo Leminski)


Este ceramista vive em Santo Tirso e é conhecido pelas belíssimas peças que executa.
A forma como combina perícia e delicadeza de trabalhar o barro, não deixa ninguém indiferente!

Foi fundador e é mentor da Confraria do Caco, condição que aumentou a sua esfera de influência.
Recebe imensos prémios, a nível nacional e internacional, factos que a imprensa regista de forma expressiva.

Resta-me apresentar a foto do presépio.





segunda-feira, 17 de julho de 2017

António Pinto - Porto

“Dos nossos medos nascem as nossas coragens.”
(Eduardo Galeano)

A pipa é um vasilhame grande de madeira usado para armazenar líquidos.
Na Região Demarcada do Douro, a mais antiga região demarcada do mundo, a sua capacidade é de 550 litros e é usado para armazenar e envelhecer o vinho do Porto.
Em 2015 foram produzidas cerca de 290.041 pipas de vinho do Porto!
Falta apenas apresentar-vos o presépio  feito sobre uma pipa de madeira.



  


sábado, 8 de julho de 2017

Mãos de Papel - Rio Maior

"Nós não paramos de brincar porque envelhecemos,
mas envelhecemos porque paramos de brincar."
(Oliver Wendell Holmes)


Rio Maior é conhecida pelas salinas. O mar fica a 30 km de distância destas!
A Serra dos Candeeiros, dada a sua natureza calcária, tem muitas falhas na rocha e assim as águas da chuva entranham-se e formam cursos de água subterrâneos.
Sendo que um desses cursos atravessa uma grande jazida de sal-gema que alimenta o poço destas Salinas de Rio Maior.
E a água que se extrai das Salinas de Rio Maior é sete vezes mais salgada do que a água do mar!

É nesta cidade ribatejana que vive esta simpática artesã que faz belíssimos trabalhos!

Este presépio evoca a Primavera com o verde e as flores que tem. A pomba representa a paz e a anunciação do nascimento de Jesus.



quinta-feira, 6 de julho de 2017

Asdrovia - Rio Tinto

Um coração feliz é o resultado inevitável de um coração ardente de amor.”
( Madre Teresa de Calcutá)


Consta que a primeira motocicleta foi inventada pelos engenheiros norte americanos, Wilhelm Maybach e Gottlieb Daimler, em 1885!
Desde então tem vindo a evoluir e a surgirem inúmeros modelos de motas, cada vez mais potentes e sofisticadas!

Este presépio está muito original! José veste um hábito de monge franciscano e está a conduzir uma mota 125, Modelo ET3 Primavera,  datada de 1976! Maria vai atrás e leva o Menino Jesus consigo. Vão dar um passeio e chegarão muito mais rápido ao destino que pretendem ir!

Falta apenas publicar as fotos para vocês verem:










quinta-feira, 29 de junho de 2017

Museu de Santa Maria de Lamas

" Só a arte permite a realização de tudo o que na realidade a vida recusa ao homem."
 (Johann Goethe)


A cortiça é um material de origem vegetal da casca (súber) dos sobreiros (Quercus suber), leve e com grande poder isolante.

A primeira extracção da cortiça ocorre, normalmente, quando a árvore atinge entre 25 a 30 anos e ocorre nos meses de Junho a Agosto.

O uso da cortiça reporta há 5000 anos atrás, onde já era utilizada na arte das pescas, sucessivamente para produzir calçado e para vedar ânforas de vinho e azeite!

Durante a época dos descobrimentos, os construtores de naus e caravelas portuguesas utilizavam a madeira de sobreiro no fabrico das partes mais expostas às intempéries, visto que é um material resistente e que nunca apodrece.

O produto, mais conhecido, feito com cortiça, são as rolhas usadas para tapar as garrafas de vinho. No século XVIII, o monge beneditino francês Dom Pierre Pérignon, usou a cortiça para vedar o famoso champagne de Pérignon.  

Portugal, com uma área de 730 mil hectares de montado de sobreiros, é responsável por mais de 50% da produção mundial de cortiça.

O actual Museu de Santa Maria de Lamas (MSML), foi primitivamente designado pelo seu fundador (o industrial “corticeiro”, Henrique A. Amorim (1902 - 1977)), como sendo a sua “Casa dourada”. É um espaço peculiar devido às variadas colecções deste homem - arte sacra, cortiça, iconografia, mobiliário, etnografia, estatuária, ciências naturais, cerâmica, numismática e medalhística. As cerca de 1700 peças criam nas 16 salas do museu, verdadeiros desafios ao olhar do visitante!

Resta-me apresentar-vos os dois presépios que comprei neste museu:






quarta-feira, 21 de junho de 2017

Anabela Charneca - Setúbal

Feliz aquele que aprende o que ensina e transfere o que sabe.”
(Cora Coralina )

O baú é um dos objetos mais antigos do mobiliário!

Era usado originalmente para guardar roupas, armas, objetos de valor e também como mala de viagens e até para guardar o enxoval!

Nas grandes navegações era muito procurado por navios piratas em busca de encontrar jóias, ouro, pérolas entre outros.

Este pequeno baú contém este bonito presépio pintado em pedras.





Anabela Charneca - Setúbal

 “O Porto não é para mim um lugar, é um sentimento.”
(Agustina Bessa Luís)


Os trípticos eram muito populares no mundo antigo para preservar notas, medir o tempo e direcção. Os primeiros trípticos eram feitos de marfim e para entronizar a ascensão de um individuo a cônsul romano!

Na Idade Média os trípticos passaram a ser encomendados por altas individualidades que desejavam retractar-se a si mesmas!

Consta que o primeiro tríptico feito em Portugal foi elaborado em madeira de cedro revestida de prata e retractava uma cena da natividade e anunciação aos pastores, pintura com uma qualidade muito modesta! Data de 1376 e pode ser apreciado no Museu Alberto Sampaio, em Guimarães.

Um tríptico, é geralmente, um conjunto de três pinturas unidas por uma moldura tríplice (dando o aspecto de serem uma obra), ou somente três pinturas juntas formando uma única imagem.

Este tríptico que vos apresento, retrata a bonita cidade do Porto, cidade na qual nasci e tenho grande apreço e orgulho!





terça-feira, 6 de junho de 2017

Reideias -Lisboa

"Grandes mentes discutem ideias; mentes medianas discutem eventos; mentes pequenas discutem pessoas."

       (Eleanor Roosevelt)

      A palavra papel vem do latim papyrus. O papiro era uma planta que crescia nas margens do rio Nilo, no Egipto, da qual se extraia fibras para a fabricação de cordas, barcos e as folhas feitas de papiro para a escrita. Quando a escrita surgiu, há mais de 6 mil anos atrás, as palavras eram inscritas em tabuletas de pedras ou argila.

Depois vieram os pergaminhos feitos de couro curtido de bovinos, bem mais resistentes. Finalmente, o papel seria inventado na China 105 anos depois de Cristo (d.C.), por T’sai Lun. Ele fez uma mistura humedecida de casca de amoreira, cânhamo, restos de roupas, e outros produtos que contivesse fonte de fibras vegetais. Bateu a massa até formar uma pasta, peneirou-a e obteve uma fina camada que foi deixada a secar ao sol. Depois de seca, a folha de papel estava pronta! A técnica, no entanto, foi guardada a sete chaves, pois o comércio de papel era bastante lucrativo!

 Somente 500 anos depois de o papel ter sido inventado, os japoneses conheceram o papel graças aos monges budistas coreanos que lá estiveram!

Para produzir 1 tonelada de papel são necessários, em média, 24 árvores! 
A quantidade e a qualidade do papel vão determinar o tipo de madeira e de planta que será utilizada. Actualmente, a produção de papel industrial usa duas espécies de árvores cultivadas em larga escala: o pinheiro (Pinus sp.) e o eucalipto (Eucalyptus sp), ambas originárias, da Europa e da Austrália.
  Falta apenas postar a foto dos presépios!





Art e cork Miroma – Mozelos – S.M. Feira

“(…)O Sobreiro é especial
Árvore de grande nobreza
Um símbolo de Portugal
Que gera grande riqueza.”
(Hélder Santos)

A cortiça é uma matéria-prima tão perfeita que até hoje nenhum processo industrial ou tecnológico a conseguiu igualar! É leve, elástica, impermeável, possui excelente capacidade de isolamento acústico e térmico, tem elevada capacidade de resistência ao atrito, é hipoalergénica e suave ao tacto.


Falta  apenas apresentar-vos o presépio feito nesta matéria prima tão nobre! Aqui fica!


Luísa Fonseca – Sintra

“Nunca podemos encontrar a paz no mundo exterior até que consigamos estar em paz com nós próprios.”
(Buda)

O sino é um instrumento de percussão inventado na China há cerca de 4.600 anos!

A palavra sino tem origem do latim “signum”, que significa sinal.

No início, o sino era utilizado como meio de comunicação, tendo funções como a de marcar as horas, e avisar aos trabalhadores que o seu turno de trabalho chegara ao fim.
Mais tarde, além de serem utilizados como eficientes meios de comunicação, também se tornaram belos instrumentos musicais.

Através dos tempos, os sinos passaram por grandes transformações em relação às suas formas, usos, e dimensões.


E todas estas curiosidades sobre o sino porque este presépio tem este magnífico instrumento de percussão que o torna tão original e encantador!


quarta-feira, 24 de maio de 2017

Associação dos Custódios de Maria - Lisboa


"O talento desenvolve-se no amor que pomos no que fazemos. Talvez a essência da arte seja o amor pelo que se faz, o amor pelo próprio trabalho." 
(Máximo Gorky)

Associação dos Custódios de Maria é uma associação de católicos, fundada há 40 anos e mantém sedes nas dioceses de Lisboa, Braga, Porto e Setúbal.

As actividades são muito diversas e incluem a participação activa nas respectivas paróquias, peregrinações a grande santuários, apostolado do oratório do Imaculado Coração de Maria, evangelização através da música, conferências, formação da juventude e divulgação da mensagem de Nossa Senhora de Fátima.

Aqui ficam duas Sagradas Famílias enviadas para casa por esta associação.








segunda-feira, 22 de maio de 2017

Manuel Floriano - Gondomar

"Às vezes, o mundo pede-nos para lutar por coisas que não conhecemos, por razões que nunca iremos descobrir."  
( Paulo Coelho)

Manuel Floriano vive em Gondomar e faz presépios e outros santos usando elementos que a natureza nos oferece.

Este primeiro presépio usou casca de avelã, sementes de roseira, grãos de soja e folha de coqueiro.


Segundo: Presépio feito com miolo de noz, grãos de soja, pimenta e casca de tremoço. 



Terceiro:Presépio feito com pinhões, sementes de girassol, grãos de soja, folha de bambu e casca de cato desidratada. 




Cada homem que ama revela-se ao outro como uma maravilha."
(Fançois Mauriac (romancista francês))

A alfarrobeira é uma árvore de folha perene, originária da região mediterrânica que atinge cerca de 10 a 20 m de altura!
A alfarroba é rica em antioxidantes, é uma boa fonte de vitaminas A, B1 e B2, niacina, cálcio e magnésio, não possui gorduras e glúten.

Quarto: presépio feito com alfarrobas, casca de pinheiro e cacto desidratado.