quarta-feira, 21 de junho de 2017

Anabela Charneca - Setúbal

Feliz aquele que aprende o que ensina e transfere o que sabe.”
(Cora Coralina )

O baú é um dos objetos mais antigos do mobiliário!

Era usado originalmente para guardar roupas, armas, objetos de valor e também como mala de viagens e até para guardar o enxoval!

Nas grandes navegações era muito procurado por navios piratas em busca de encontrar jóias, ouro, pérolas entre outros.

Este pequeno baú contém este bonito presépio pintado em pedras.





Anabela Charneca - Setúbal

 “O Porto não é para mim um lugar, é um sentimento.”
(Agustina Bessa Luís)


Os trípticos eram muito populares no mundo antigo para preservar notas, medir o tempo e direcção. Os primeiros trípticos eram feitos de marfim e para entronizar a ascensão de um individuo a cônsul romano!

Na Idade Média os trípticos passaram a ser encomendados por altas individualidades que desejavam retractar-se a si mesmas!

Consta que o primeiro tríptico feito em Portugal foi elaborado em madeira de cedro revestida de prata e retractava uma cena da natividade e anunciação aos pastores, pintura com uma qualidade muito modesta! Data de 1376 e pode ser apreciado no Museu Alberto Sampaio, em Guimarães.

Um tríptico, é geralmente, um conjunto de três pinturas unidas por uma moldura tríplice (dando o aspecto de serem uma obra), ou somente três pinturas juntas formando uma única imagem.

Este tríptico que vos apresento, retrata a bonita cidade do Porto, cidade na qual nasci e tenho grande apreço e orgulho!





terça-feira, 6 de junho de 2017

Reideias -Lisboa

"Grandes mentes discutem ideias; mentes medianas discutem eventos; mentes pequenas discutem pessoas."

       (Eleanor Roosevelt)

      A palavra papel vem do latim papyrus. O papiro era uma planta que crescia nas margens do rio Nilo, no Egipto, da qual se extraia fibras para a fabricação de cordas, barcos e as folhas feitas de papiro para a escrita. Quando a escrita surgiu, há mais de 6 mil anos atrás, as palavras eram inscritas em tabuletas de pedras ou argila.

Depois vieram os pergaminhos feitos de couro curtido de bovinos, bem mais resistentes. Finalmente, o papel seria inventado na China 105 anos depois de Cristo (d.C.), por T’sai Lun. Ele fez uma mistura humedecida de casca de amoreira, cânhamo, restos de roupas, e outros produtos que contivesse fonte de fibras vegetais. Bateu a massa até formar uma pasta, peneirou-a e obteve uma fina camada que foi deixada a secar ao sol. Depois de seca, a folha de papel estava pronta! A técnica, no entanto, foi guardada a sete chaves, pois o comércio de papel era bastante lucrativo!

 Somente 500 anos depois de o papel ter sido inventado, os japoneses conheceram o papel graças aos monges budistas coreanos que lá estiveram!

Para produzir 1 tonelada de papel são necessários, em média, 24 árvores! 
A quantidade e a qualidade do papel vão determinar o tipo de madeira e de planta que será utilizada. Actualmente, a produção de papel industrial usa duas espécies de árvores cultivadas em larga escala: o pinheiro (Pinus sp.) e o eucalipto (Eucalyptus sp), ambas originárias, da Europa e da Austrália.
  Falta apenas postar a foto dos presépios!





Art e cork Miroma – Mozelos – S.M. Feira

“(…)O Sobreiro é especial
Árvore de grande nobreza
Um símbolo de Portugal
Que gera grande riqueza.”
(Hélder Santos)

A cortiça é uma matéria-prima tão perfeita que até hoje nenhum processo industrial ou tecnológico a conseguiu igualar! É leve, elástica, impermeável, possui excelente capacidade de isolamento acústico e térmico, tem elevada capacidade de resistência ao atrito, é hipoalergénica e suave ao tacto.


Falta  apenas apresentar-vos o presépio feito nesta matéria prima tão nobre! Aqui fica!


Luísa Fonseca – Sintra

“Nunca podemos encontrar a paz no mundo exterior até que consigamos estar em paz com nós próprios.”
(Buda)

O sino é um instrumento de percussão inventado na China há cerca de 4.600 anos!

A palavra sino tem origem do latim “signum”, que significa sinal.

No início, o sino era utilizado como meio de comunicação, tendo funções como a de marcar as horas, e avisar aos trabalhadores que o seu turno de trabalho chegara ao fim.
Mais tarde, além de serem utilizados como eficientes meios de comunicação, também se tornaram belos instrumentos musicais.

Através dos tempos, os sinos passaram por grandes transformações em relação às suas formas, usos, e dimensões.


E todas estas curiosidades sobre o sino porque este presépio tem este magnífico instrumento de percussão que o torna tão original e encantador!